Verbo: O guia definitivo


O verbo é uma das classes de palavras mais extensas e complexas de se estudar por possuir diversas formas de flexão. Mas não precisa se assustar, apesar de extensa essa classe é bastante intuitiva e, depois de ler este artigo, você estará preparado para lidar tranquilamente com o verbo e suas flexões. Vamos lá!

O que é?

O verbo é uma classe de palavras da morfologia que exprime ação, estado ou fenômeno situado no tempo.

Exemplo: Hugo vendeu sua antiga bicicleta. (ação)

Exemplo: Sarah está gripada. (estado)

Exemplo: Choveu muito noite passada. (fenômeno)

Guia rápido


Flexões verbal

O verbo é uma classe com muitas variações dadas as suas possibilidades de conjugação:

  • PESSOAIS
  • NOMINAIS
  • MODAIS
  • NUMERAIS
  • TEMPORAIS
  • VOZES

 

Flexão Pessoal

É a variação conforme a pessoa gramatical do sujeito.

Exemplo: Nós penduramos os lençóis no varal. (1º pessoa do plural)

Exemplo: Tu penduras as fronhas. (2º pessoa do singular)

Exemplo: Ela pendura as roupas. (3º pessoa do singular)

Note que nos exemplos acima, o verbo “pendurar” tem sua desinência alterada para concordar com a pessoa gramatical – os sujeitos – de cada oração.

Flexão Nominal

Os verbos são denominados nominais quando podem substituir o nome, ou seja, quando se apresentam exercendo função de substantivo ou adjetivo ou advérbio. São formas nominais do verbo as seguintes:

  • Infinitivo: indica uma ação de modo geral. Ele pode ser impessoal ou pessoal. O infinitivo impessoal é puro e inflexível – utilizado nos dicionário da língua portuguesa –, já o infinitivo pessoal refere-se a um sujeito e por isso é flexível. Veja os exemplos:

Exemplo: Ouvi o cantar dos pássaros. (infinitivo impessoal)

Nesse exemplo, “cantar” é um verbo no infinitivo impessoal porque desempenha a função de um substantivo e independentemente da pessoa do sujeito não sofre variação.

Exemplo: Declaramos estarem prontos. (infinitivo pessoal – sujeitos diferentes)

Exemplo: Declaramos estar prontos. (infinitivo pessoal – mesmo sujeito)

Nos dois exemplos acima, o verbo “estar” é utilizado como um infinitivo pessoal portanto possui um sujeito de referência e por isso pode variar.

No primeiro caso, “estarem” sofre variação porque se refere a um sujeito diferente do sujeito do verbo regente “declaramos”. Enquanto no segundo exemplo, “estar” não varia por ter “nós” como sujeito referencial e este ser o mesmo sujeito do verbo regente da oração.

  • Gerúndio: é a forma nominal do verbo que indica ação continuada, em curso, inacabada. Sua desinência é “ndo“:

Exemplo: Os clientes estão entrando no shopping.

Exemplo: As crianças foram correndo ao parque.

Exemplo: Os rapazes estariam saindo do bar aquela hora.

  • Particípio: aponta um estado ou uma situação já concluída. O particípio pode ser regular ou irregular e sua diferença se encontra na desinência. O regular possui desinência “ado” para a 1º conjugação e “ido”para 2º e 3º conjugação. Enquanto que o irregular apresenta, na maioria dos casos, a desinência “to” ou “so”.

Exemplo:  O hino foi cantado. (regular 1º conjugação)

Exemplo: O homem havia partido. (regular 3º conjugação)

Exemplo: Ela havia feito o bolo da festa. (particípio irregular)

Exemplo: O convite foi impresso com tinta azul. (particípio irregular)

Flexão Modal

Na conjugação verbal, o modo é como o fato se realiza, são três os modos verbais: indicativo, subjuntivo e imperativo.

  • Modo indicativo: A ação do verbo é expressa de maneira real e categórica (faço, escreveres, não irás, chorava).

Exemplo: Catarina colhe as flores do jardim.

Exemplo: Ele esqueceu as chaves em cima da mesa.

Exemplo: Nós não iremos ao festival.

  • Modo subjuntivo: A ação expressa pelo verbo é de caráter incerto e indica possibilidades e/ou desejo (substituindo a 1º e a 3º pessoa do imperativo). No subjuntivo, um verbo se subordina a outro para ter sentido completo de sua ação:

Exemplo: Acredito que passe no exame técnico.

Nesse caso o verbo “passe” está subordinado ao verbo “acredito”. Por si só, o verbo “passar” não teria sentido completo e tampouco indicaria possibilidade.

  • Modo imperativo: Nesse modo, o verbo é utilizado com império e indica ordem, convite ou súplica. É importante lembrar que todas as pessoas verbais tem modo imperativo, apesar de o destaque estar com a 2º pessoa do singular e do plural porque se conjugam no imperativo sem o “s”.

Exemplo: Faça a tarefa de casa. (ordem)

Exemplo: Sente-se à mesa conosco. (convite)

Exemplo: Tende piedade de nós. (súplica)

A negação do imperativo se constrói com o subjuntivo.

Exemplo: Não deixeis o menino sair.

Flexão Numeral

Quanto ao número o verbo varia entre singular e plural. O sujeito da oração é que determina a flexão do verbo na oração, portanto, se o sujeito estiver no singular o verbo permanece no singular, se estiver no plural o verbo fica no plural.

Exemplo: Ele adora vir ao parque. (3º pessoa do singular)

Exemplo: Eles adoram vir ao parque. (3º pessoa do plural)

Flexão Temporal

A flexão temporal indica a época em que a ação é, foi ou será executada. Os tempos verbais são: pretérito, presente e futuro.

  • Presente: é utilizado para falar sobre uma ação praticada enquanto se fala:

Exemplo: Escrevo um texto.

Nesse exemplo, enquanto declaro que escrevo também executo a ação de escrever.

O presente também pode ser empregado para indicar um tempo em curso (séculos, anos, meses, dias) e para descrever uma ação habitual. Veja os exemplos:

Exemplo: Vivemos tempos difíceis.

Exemplo: Ela as notícias pela manhã.

Para falar sobre uma ação continuada usa-se uma locução verbal formada geralmente pelo presente e o gerúndio:

Exemplo: Ele está lavando a louça.

  • Pretérito: indica que ação do verbo foi executada antes do momento da fala. Mas é importante recordar que há três espécies de pretérito: imperfeito, perfeito, mais que perfeito.

Exemplo: Ela escreveu o bilhete. (pretérito perfeito)

Exemplo: Mário trazia o bolo quando tropeçou. (pretérito imperfeito)

Exemplo: Tereza saíra assim que José entrou no escritório. (pretérito mais-que-perfeito)

  • Futuro: aponta uma ação que será praticada após o momento da fala ou depois de realizada outra ação. Existem dois tipos de futuro: do presente e do pretérito.

Exemplo: Eles sairão esta noite. (futuro do presente)

Exemplo: Catarina traria as flores. (futuro do pretérito)

 

Vozes Verbais

Em relação as vozes o verbo pode ser: ativo, passivo, reflexivo e neutro.

  • Voz Ativa: se dá quando a ação expressa pelo verbo é evidentemente praticada ou produzida pelo sujeito da oração.

Exemplo: O lenhador matou o lobo.

O “lenhador” é sujeito da oração e pratica a ação de matar, enquanto o “lobo” é objeto direto.

  • Voz Passiva: indica que o sujeito da oração recebe a ação do verbo em vez de praticá-la. Na voz passiva o sujeito é paciente ou recipiente da ação do verbo.

Exemplo: O lenhador foi morto pelo lobo.

Nesse exemplo, o “lenhador” continua como sujeito da oração, mas agora, sofre a ação de ser morto. A coisa ou pessoa que pratica a ação na voz passiva – neste caso, o “lobo” – aparece como complemento do verbo e é denominado agente da passiva.

Observação: uma oração na voz ativa pode ser transformada em uma oração da voz passiva (vise-versa) sem alteração de seu sentido original:

Exemplo:  Tereza escreveu a carta de despedida. (voz ativa)

Exemplo: A carta de despedida foi escrita por Tereza. (voz passiva)

Note que o que se altera é o posicionamento e a função dos termos na oração, mas o sentido permanece o mesmo. Na voz ativa, “Tereza” é sujeito e pratica a ação de escrever e “carta” é objeto direto. Já na voz passiva, “carta” se torna sujeito e sofre a ação de ser escrita, enquanto “Tereza” é agente da passiva e praticante da ação de escrever.

  • Voz reflexiva: são os casos em que o sujeito pratica e recebe a ação verbal. Para indicar essa reflexibilidade, o verbo sempre vem acompanhado do respectivo pronome oblíquo do sujeito, perceba:

Exemplo: Eu me machuquei com o estilete.

Exemplo: Paulo se queixa de dores nas costas.

  • Voz Neutra: se apresenta quando o sujeito nem pratica e nem recebe a ação do verbo, porque este não indica qualquer tipo de ação e sim um estado ou consequência de uma ação, veja:

Exemplo: José é bom cozinheiro.

Observação:  os verbos neutros são os mesmos verbos de ligação: ser/estar, ficar, permanecer.


Tipos de Verbos

Há seis tipos de verbos quanto ao processo de conjugação, o verbo pode ser: auxiliar, regular, irregular, anômalo, defectivo, abundante.

  • Auxiliares: são verbos que exigem auxílio de um outro verbo que lhe complete o sentido. Os auxiliares são quatro: ter, haver, ser e estar.
  • Regulares: são os que mantém o radical invariável durante a conjugação e suas desinências flexionam conforme um padrão.
  • Irregulares: são verbos que sofrem modificação no decorrer da conjugação tanto no radical quanto na desinência, que se afasta de qualquer padrão.
  • Anômalo: assim denominados o verbo ser e ir por sua conjugação se processar e maneira diferente dos demais verbos irregulares. Enquanto os verbos irregulares sofrem variações de um mesmo radical esses dois verbos mudam de radical durante sua conjugação, por exemplo: ser se torna foi, e ir se torna vou.
  •  Defectivo: são os verbos que não possuem sua conjugação completa, ou seja, não é conjugada por todas as pessoas.
  • Abundante: são assim chamados os verbos do nosso idioma que possuem forma dupla, mais especificamente, os verbos com particípios duplos. Um exemplo é o verbo suspender que possui particípio terminado em -ido e -so: suspendido e suspenso.
  • Impessoais: não fazem referência a nenhum sujeito específico, como é o caso dos verbos que indicam fenômenos da natureza: trovejar, chover, ventar.
  • Pronominais: são os verbos reflexivos e sempre estão acompanhados de pronome oblíquo, exemplo: arrepender-se, ferir-me.

 


Resumindo…

O verbo é um dos pilares da nossa comunicação. É uma importante classe da morfologia que indica ação, estado ou fenômeno e possui diversas flexões. Sem dúvida, é um assunto que merece atenção ao ser estudado por ser uma peça essencial para a boa compreensão da sintaxe.

Gostou do conteúdo?

Essa postagem ficou um pouco grande, mas fiz o meu melhor para trazer de forma bem prática o conteúdo sobre os verbos. Espero ter ajudado e facilitado um pouco mais sua vida quanto aos estudos. Qualquer dúvida nossa equipe está à disposição.

Deixe o seu comentário e compartilhe com os amigos, isso nos ajuda a produzir mais conteúdos úteis e de qualidade para você.

Até o próximo post prático sobre gramática!

Tags:
,